11.9.05

Anedota

Ora vamos analisar um e-mail que acabo de receber (bendita alminha que defecaste este e-mail para eu o poder dissecar em público mas mesmo assim editado porque acho que a merda é em demasia):

"Nós, cidadãos abaixo assinados, manifestamos a nossa oposição à exibição do programa «Esquadrão G - Não és Homem, Não és Nada» a estrear em Setembro de 2005 na estação de televisão SIC. Exigimos às autoridades competentes (AACS) que proíbam o referido programa, o qual, em nosso entender, se destina explicitamente a promover e estimular o comportamento homossexual no seio sociedade e, em particular, junto das gerações mais novas.

[...]Consideramos que a homossexualidade é um comportamento não natural e socialmente inútil, pois é estéril na criação de novas gerações e anti-natural do ponto de vista fisiológico e da própria anatomia sexual.
Nada na natureza nos prova que a homossexualidade seja normal
, e nada na história das sociedades organizadas nos evidencia as vantagens de eleger a tendência homossexual a comportamento normal e socialmente aceitável. Bem pelo contrário, achamos que a homossexualidade deve ser considerada como um desvio dos comportamentos normais, naturais, saudáveis e profícuos do Homem.[...]

[...]O programa televisivo «Esquadrão G - Não és Homem, Não és Nada» é mais um instrumento intolerável do lobbie gay com vista a tornar a homossexualidade mais aceite junto da população e eliminar de uma vez por toda a réstia de bom senso na sociedade portuguesa.[...]

[...]Nesse contexto, a exibição do programa revela-se um autêntico atentado contra a família tradicional e contra a sanidade mental e os bons costumes das nossas crianças e jovens, ao imprimir-lhes valores totalmente contrários à harmonia natural e social herdada desde há milénios.[...]"


Quando comecei a escrever este post, não sabia bem o que dizer ou comentar dado que o texto é revoltante, arrepiante e quase anedótico.
Mas confesso que estou assustado.
Assustado por pensar que existem pessoas como o grupo que escreveu este e-mail e que se está a dar ao trabalho de tentar criar um baixo-assinado para evitar que o programa seja exibido.
Assustado por aparentar que ainda estamos no século XV, que não há liberdade de expressão, que há pessoas que acham "anormal" uma orientação sexual que não a sua.
Assustado por ter a certeza que este grupo não é uma minoria.

Que se segue? Autos da fé? Não usar métodos contraceptivos? Ter relações sexuais só para procriar?

Receber este e-mail fez-me lembrar os filmes que retractam as pequenas terreolas americanas dos anos 40 em que grupos de rapazolas encapuçados de branco perseguiam raças que não a sua: "é diferente, limpa-se".
Depois, para grande choque, retira-se o capuz e repara-se que essa vil amostra de gente é o nosso vizinho do lado, o dono da loja local ou mesmo o político em que votamos o ano passado...

Não gosto de verbalizar e usar o nosso querido vernáculo quando escrevo, por isso vou deixar para vocês comentarem e extravizarem.

O destinatário do e-mail que me foi enviado é este olha-olha@oninet.pt portanto agradecia que, se partilharem a minha lei de pensamento, que possam contibuir para o engrossar da caixa de mensagens deste grupinho de gentinha nojenta e enviar um e-mail expondo a vossa indignação.

Eu já o fiz.


Obrigado pelo tempo dispendido.

3 comments:

nInja TOtaL said...

Que tristeza... Há gente que não evolui.

ladydemon said...

Por estas e por outras e k a sociedade não evolui!! Tamanha mesquinhez só me faz pensar k esta gente deve ter um grande complexo de inferioridade...acabar com a diferença para se poderem sentir bem na sua pele reles de parasita da sociedade que traz como vestimenta a hipocrisia, o nazismo decrepito, a homofobia...e tudo o k de mal poderá ter sido um dia criado por esse Homem pequenino, insignificante que no entanto se faz passar por superior aos que não se regem pela sua igualdade e pobreza de espirito.

Filipa said...

Sempre tive a teoria de que aqueles homens ou mulheres que mais "lutam" contra a homossexualidade são de facto homossexuais incapazes de aceitar a sua verdadeira sexualidade, usando o ódio como defesa numa aluta que acaba por ser contra eles mesmos!